PT / ENG
PERITOS DAS TIC DA CEDEAO REUNIDOS NA PRAIA COM ROAMING E ACESSO UNIVERSAL NA AGENDA

PERITOS DAS TIC DA CEDEAO REUNIDOS NA PRAIA COM ROAMING E ACESSO UNIVERSAL NA AGENDA

Peritos da CEDEAO estão reunidos desde segunda-feira, 2, na Praia. Um encontro que antecede a XV Conferência dos Ministros das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) da Comunidade de Estados da África Ocidental (CEDEAO), que acontece esta sexta-feira, 6, na capital do País para discutir, entre outros assuntos, o roaming gratuito entre os países comunitários.

De acordo com o Isaías Barreto, comissário das Tecnologias de Informação e Comunicação da CEDEAO espera-se que no final deste encontro os ministros responsáveis das TIC da CEDEAO possam aprovar o Roaming gratuito para todos os países comunitários. “Na África Ocidental nós temos livre circulação de pessoas, bens e capitais, mas não temos livre circulação de tráfico de voz e dados. As telecomunicações na nossa sub-região têm um custo bastante elevado, se levarmos em consideração o poder de compra das nossas populações”, afiança Barreto para quem à semelhança da livre circulação de pessoas, bens e capitais, os cidadãos desta sub-região devem ter acesso livre também aos recursos das tecnologias de informação e comunicação e, particularmente, ao roaming gratuito.

“Queremos, igualmente, que no final deste encontro os nossos ministros das TIC aprovem o Projeto de Ato Adicional sobre o Acesso Universal. Nós temos um texto de 2007, que foi aprovado há 10 anos, e que leva em consideração, sobretudo, o acesso universal no que diz respeito ao acesso à telefonia móvel, mas não leva em consideração o acesso à internet”, disse Isaías Barreto sublinhando que nos dias que correm o acesso à internet é um direito humano fundamental, de acordo com as Nações Unidas.

Ainda, de acordo com o Comissário das TIC da CEDEAO para termos uma boa governança na nossa sub-região e para dinamizarmos as nossas economias é preciso que os governos democratizem o acesso à internet.

Questionado se a gratuitidade seria extensivo aos mais de 300 milhões de habitantes da CEDEAO, Isaías Barreto é perentório em afirmar que “dificilmente chegaremos a um ponto em que todos os cidadãos da CEDEAO terão acesso gratuito à internet. Mas gostaríamos que os nossos cidadãos tivessem acesso à internet a um preço mais próximo do seu poder de compra”, afirma, reconhecendo que neste momento a comunidade está muito distante desta realidade.

Recorde-se que este evento é organizado pelo Governo de Cabo Verde em parceria com Agência Nacional das Comunicações - ANAC.